Novamente

Posso sentir uma última vez Essa memória que está se apagando em minha mente...? Deixe-me, sentir mais uma vez Já não sei dizer se estes ou aqueles momentos foram os mais fortes.Oh, lembro-me de quando era livre Antes d'a vida me separar do viver. Lembro-me dos passos no escuro, sorrindo...Se pudesse apenas sentir um pouco … Continue reading Novamente

Anúncios

Island

Fim de tarde. Tempo nublado. Numa tarde cinza e monótona de novembro. Ele está só. Ele está só, vagando pelas ruas da cidade baixa, olhando para a imensidão do céu. No meio daquele mar de nuvens, ele está só, uma ilha. 11/11/11

Início e fim numa noite

O início da noite foi longo meus palpites eram verdade você me viu eu te vi. E aquilo que dissestes era o tempo certo o prazer foi meu. A hora e o lugar o olhar no seu rosto, um brilho sincero. Se estavas pronto ou não, o estado de nossos corações não houve tempo para … Continue reading Início e fim numa noite

Start of a new

"[...] só nos resta sermos sensatos." Ouviu tudo sem dizer nada, uma lágrima, apenas, apontava em seu olho direito. Aquilo fazia eco no mais profundo inconsciente de sua mente, e agora, emergindo, o sentido era literal, na pele, nos olhos, nos ouvidos... Saiu e fechou a porta. O dia ensolarado, as folhas brilhando no topo … Continue reading Start of a new

p. 785

Numa manhã fria ao acordar ele soltou um grande suspiro. Nesse dia não acordou como em outras manhãs de sua vida. Repetidas vezes durante a noite lutara com sua mente que queria voltar à consciência. Não sabia descrever essa sensação que nunca sentiu. Essa sensação profunda, invisível e totalmente indescritível, a qual não tinha como ignorar … Continue reading p. 785

saIR

Queria saber que chuva era aquela que dançava do outro lado do vidro. Abri a porta, saí, com os pés na terra, e ví quão chuvosa era. Por esse feliz instante, pensei que devia sair mais. Somente assim saberia se estou com sapatos confortáveis… Que deveria planejar e fazer mais, atacar em vez de defender,  … Continue reading saIR

Viver

Na cama, meio morto, contente. As páginas em branco, em fúria queriam que escrevesse Cansado, questionei sem ter nunca pretendido. As horas passaram, ninguém mudou os pensamentos foram por outro rumo. As páginas, em branco os olhos fixos no telhado e a água a gotejar. Pensei em plantar árvores como fizera antes sem medo, unidos … Continue reading Viver